Já pensou como se sente quem está do seu lado?

Empatia, você tem?

Colocar-se no lugar do outro é mais que uma questão de civilidade. É uma forma de manter os relacionamentos.

 

A empatia se resume na capacidade do indivíduo de se colocar no lugar do outro, ou seja, tentar entender os sentimentos deste para, assim, compreender as suas atitudes, por exemplo. Ser empático nem sempre é uma tarefa fácil.

Você tem facilidade para detectar os sentimentos alheios? As pessoas dizem que você é um bom ouvinte? Por acaso já vivenciou as mudanças de humor de outra pessoa como se fosse a sua? Se afirmativo, a chance de ser uma pessoa empática é grande.

 

Confira 4 passos que caracterizam a empatia e que vão te ajudar a entender e exercitar este sentimento:

 

1- Cada pessoa é única

Não existe uma “receita” predefinida de como devemos lidar com as pessoas. Cada indivíduo é único e essa é a beleza da vida.  É essencial para que as pessoas possam se respeitar e aprender a viver com as suas diferenças a demostração de empatia.  A empatia é uma das principais ferramentas para a compreensão e paz geral, pois graças a este sentimento conseguimos nos “pôr na pele” de outras pessoas e, consequentemente, entender as razões por trás de suas ações.

2- Escutar antes de falar

Você nunca conseguirá ser empático se não observar. A empatia requer que  ajude outras pessoas sem intenções egoístas. Saber ouvir é muito importante. Mesmo quando você pensa não ser capaz de dizer algo para ajudar alguém, por exemplo, quando está ouvindo atentamente o que a outra pessoa tem a dizer, as palavras certas de conforto acabam por aparecer. Nem sempre as palavras são necessárias, um abraço, um beijo ou mesmo um tapinha nas costas, quando feito com sinceridade, já é um sinal de que você se “contaminou” pelo sentimento que aflige ou contagia o próximo.

3- Abandone os julgamentos

Ser empático é ter a habilidade de não fazer julgamentos com base em suposições egoístas. Afinal de contas, como já dissemos, a empatia está baseada na compreensão do próximo. E o mundo é muito mais daquilo que você vive ou julga ser o correto. Às vezes, presenciamos uma atitude de outra pessoa que parece ser incorreta ou  sem propósito.  Um bom exercício para praticar a empatia nesse caso é tentar compreender as ações daquelas pessoas que te irritam.

4- Empatia não é fingimento

A empatia é um sentimento genuíno e que deve ser valorizado. Ser empático não é agir com falsidade, ou seja, fazendo de conta que se importa com o próximo. Portanto, se você é daqueles que crítica o sentimento de empatia alheio, provavelmente está precisando trabalhar a sua capacidade de se colocar no lugar do outro. É muito importante praticarmos isso, afinal de contas, sem a empatia os seres humanos já teriam sido extintos há muito tempo.
“Quando uma pessoa percebe que está sendo ouvida, os olhos umedecem, como se estivessem chorando de alegria. É como se ela estivesse dizendo: Graças a Deus, alguém me escutou. Alguém sabe como eu me sinto. “
A Psicologia moderna acredita que essa capacidade de se colocar no lugar do outro como vital para uma vida próspera e mais feliz.
Apenas uma dica,  cuidado para não extrapolar na empatia  absorvendo e acumulando dentro de si as tristezas e angústias do outro, agindo assim como uma “esponja emocional”.  Deixe o outro dar um sinal de que precisa de sua escuta;  a história do outro é do outro, mas o que você pode fazer é mostrar interesse por ela, e dar apoio quando possível e quando sentir preparado para isso.
Separe a emoção dos fatos. Mas acredite… a empatia aproxima e alinha o sentimento humano.
Que possamos exercitar a empatia para com todos a nossa volta.
Abraço
Daiane Silveira

COMPARTILHE COM AMIGOS


Comentários Desativados